Elias Silva

Depoimento de Elias Silva

Como Riobaldo, personagem de Guimarães Rosa na obra O Grande Sertão Veredas, e sua afirmação de que “o real não está na saída nem na chegada, ele se dispõe para a gente é no meio da travessia”, inicio minhas reflexões acerca da minha história de vida e afirmo, com orgulho, que ela é também parte da realidade de muitos trabalhadores e trabalhadoras do Brasil. 

História de vida

Eu, hoje conhecido por alguns como Professor Elias devido o trabalho de alfabetização de adultos que realizo na Casa de Paulo Freire, nasci em Januária (MG), no ano de 1966, filho de um marceneiro e uma lavradora, sou o sexto de oito irmãos. A condição de filho de trabalhadores que vivem na roça, que lutam pela sobrevivência, não é algo fácil, pois dependíamos da agricultura de subsistência, ou seja, plantávamos para comer. Das minhas primeiras lembranças infantis, tenho a imagem de meu pai em longas jornadas de trabalho na marcenaria, cujo proprietário era um homem muito conhecido e influente na cidade por ser criador de gado. Já minha mãe trabalhava de “sol a sol” na roça com os meus irmãos mais velhos e depois comigo, que não diferentemente dos demais filhos, também comecei cedo na labuta rural…”

Diante de tantas carências materiais, meu pai, sem saber, adotou uma prática comum no contexto de um Brasil sem direitos ao determinar que: “a filha mais velha cuidava dos irmãos mais novos, enquanto esses não completassem a idade de trabalhar na roça, ou seja, 5 anos. E nada de escola, a enxada era nosso lápis o chão nosso caderno!”. Desse modo, muito precocemente, tive a minha primeira experiência como trabalhador. Não foi nada agradável… a jornada de trabalho iniciava às 05h, com um percurso de 12 km realizado a pé até o local de trabalho de minha mãe e meus irmãos. Eu calçava sempre uma bota que deixava muitos calos.

Embora meus pés estivessem machucados e a escuridão me assustasse (lembro que o trajeto era feito por uma estrada estreita) recordo também que identificava beleza naquela caminhada, uma vez que o céu nos presenteava com milhões de estrelas. Virava e mexia uma estrela cadente se deslocava em queda livre, era muito lindo o risco de fogo no céu!

Depoimento de Elias Silva - Parte 1

Depoimento de Elias Silva - Parte 2

Galeria